quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Reunião do Comitê de Mortalidade Materno Infantil


Recebemos hoje em nosso auditório II o Comitê de Mortalidade Materno Infantil da CAP 1.0 que contou com a presença da diretora da DVS, Kátia Gomes Pereira e dos profissionais representantes das unidades de saúde. Foram discutidos os casos de abrangência da AP 1.0.






segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Apresentação do Trabalho de Conclusão de Curso Turma A - PROFORMAR RIO II

Em nosso auditório I a turma A do PROFORMAR RII II, apresentou seus trabalhos de conclusão de curso. Cada grupo mostrou todo o Diagnóstico das condições de Vida e situação de Saúde, que foi divido pelos módulos em partes: Informação - Reconhecimento das Condições de Vida e Situação de Saúde; Decisão - Planejamento Estratégico Situacional e Plano de Ação - Programação Local da saúde das Práticas Educativas e Comunicativas para Vigilância em Saúde. Estiveram presentes a tutora e da turma A, Simone Paiva e a representantes da EPSJV, Bárbara Valente.








sábado, 15 de novembro de 2014

HOMENAGEM AO EX-MINISTRO ADIB JATENE

É com pesar que informamos a morte do ex-ministro, Adib Jatene, na noite desta sexta-feira, 14 de novembro de 2014. Formado em medicina na Universidade Federal de São Paulo, com mais de 20 mil cirurgias em seu currículo, destacou-se por ter sido o primeiro a realizar a cirurgia de ponte de safena no Brasil e por ter inventado aparelhos e equipamentos médicos, e também atuou como secretário estadual da Saúde de São Paulo e duas vezes como ministro da saúde.
Abaixo segue a publicação de um texto retirado do Jornal O Globo em 11 de novembro de 2011, onde cita sua visita à Clinica da Família Sergio Vieira de Mello por ocasião de sua inauguração.

Visita do Dr Adib Jatene à Clínica da Família Sergio Vieira de Mello



O exemplo do Rio (Opinião)


ADIB JATENE

Quando ministro da Saúde, em 1996, consegui implantar o Programa de Saúde da Família em São Paulo. Sempre defendi que esse programa, que vinha sendo implantado em municípios do interior do Nordeste e do Norte, deveria atingir as áreas metropolitanas onde a industrialização tardia, e a conseqüente urbanização, a partir das administrações de Getúlio e Juscelino, fez com que grandes massas de população se concentrassem nas grandes cidades, em áreas onde os profissionais de que elas necessitam não aceitam morar.

O primeiro módulo implantado em Itaquera, em parceria do governo do Estado e do Ministério da Saúde com as irmãs do Hospital Sta. Marcelina, mostrou o acerto da formulação.

Depois que saí do Ministério, usando a Fundação Zerbini, do InCor, conseguimos implantar 19 equipes na região de Vila Nova Cachoeirinha e 33 equipes em Sapopemba, agregando odontologia e saúde mental em todas as unidades, e duas equipes de 12 especialistas, uma em cada um dos dois bairros, além de Casa de Parto em Sapopemba.

Nos anos seguintes, essa estratégia foi ampliada, chegando hoje a mais de 2.200 equipes, cobrindo perto de 60% da população alvo, e em todas as áreas onde o programa se implantou com grande receptividade.

Por isso, quando visitei, há anos, um módulo mantido por Ezio Cordeiro, na Faculdade de Medicina da Universidade Estácio de Sá, me dei conta de que na cidade do Rio menos de 3% da população se beneficiavam do programa Saúde da Família. Essa sensação de falta de sensibilidade sempre me incomodou.

No último 18 de outubro estive no Rio para assistir à Conferência Internacional sobre Determinantes Sociais de Saúde, proposta da OMS que o Brasil acolheu com entusiasmo no governo Lula, criando uma das primeiras comissões nacionais e gerando alentada publicação sobre o assunto, coordenada por Alberto Pelegrini, da Fiocruz.

Nesse dia, em contato com o secretário Hans Dohmann, tomei conhecimento de que ele iria inaugurar, no dia seguinte, no Catumbi, a 44ª Clínica de Saúde da Família, de um total de 70, que pretendem implantar até o final da atual administração. Mostrei interesse em visitar a unidade.

Devo confessar minha surpresa ao encontrar belíssima obra acoplada a uma magnífica creche. A distribuição dos cômodos e a programação visual, a excelência da construção e todos os recursos ali colocados, que fiz questão de visitar, deixaram-me emocionado.

Faz bem à alma ver que, em nosso país, as pessoas começam a receber das autoridades o respeito e a consideração que merecem. Vi-me diante da incorporação de todos os conceitos que, ao longo do tempo, foram implantados no PSF, conseqüência do amadurecimento do programa.

Além das instalações clássicas de nossas unidades básicas, visitei uma sala de raios X, outra de ultrassom, permitindo acompanhar as gestantes.

Outra sala tinha três equipes completas de odontologia. O que mais me agradou foi assistir aos agentes comunitários, já selecionados, recebendo instrução sobre como devem atuar na comunidade desde o cadastramento da população, à busca de doenças preexistentes como hipertensão, diabetes e tuberculose. Também devem identificar as gestantes, verificar as consultas de pré-natal, controlar a carteira de vacinação de todas as crianças, identificar fatores de risco, o que se consolida com a visita mensal a cada uma das casas de seu núcleo de 200 famílias.

Saí dessa visita com a esperança renovada. Quando o Rio de Janeiro se envolve com esta seriedade, cobrindo uma lacuna em que, ao contrário de esperar que as pessoas busquem hospitais superlotados, ir ao encontro dessas populações, com instalações que exprimam o respeito que o administrador público deve ter pelas pessoas, não há como não se emocionar.

Costumo dizer que o Programa Saúde da Família não existe para beneficiar politicamente os administradores, mas, certamente, engrandecerá aqueles que, com sua adesão ao programa, proclamam o respeito e a consideração que têm com as pessoas que sofrem e se regozijam com os novos tempos, que lhes são oferecidos. Saí não só com a esperança renovada, mas com a certeza de que Heloísa Machado e Fátima de Souza, que me conquistaram quando ministro para o Programa, vão sentir-se recompensadas de todas as agruras para chegar até aqui.

ADIB JATENE é médico e foi ministro da Saúde.


Fonte: Jornal O Globo, 11 de novembro de 2011.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

APRESENTAÇÃO DA PESQUISA SOBRE HIPOVITAMINOSE A E ANEMIA


Recebemos hoje em nosso auditório I a representante do INAD, Patrícia Afonso Maia, que veio apresentar a pesquisa sobre a prevalência da deficiência de vitamina A e de ferro em crianças menores de 5 anos, parceria da SMS/ INAD/ UERJ/ UNIRIO/ ENSP/ INCA.
A pesquisa será realizada em algumas unidades do município do Rio de Janeiro, visando detectar a carência desses nutrientes e traçar assim um plano de ação.








MOBILIZAÇÃO DA ILHA DE PAQUETÁ CONTRA A DENGUE - DIA 06/12/2014

Em reunião de Planejamento Educativo Integrado realizado na Unidade Integrada de Saúde Manoel Arthur Villaboim no dia 10/11/14, com a participação dos representantes da COMLURB, Guarda Municipal, Escola Municipal Joaquim Manoel de Macedo, da direção da unidade de saúde, XXI Região Administrativa e da Divisão de Vigilância em Saúde da CAP 1.0 foi deliberada a MOBILIZAÇÃO DA ILHA DE PAQUETÁ CONTRA A DENGUE para sábado, dia 06/12/2014.

A mobilização contará com a participação dos alunos da Escola Municipal Joaquim Manoel de Macedo. Durante este ano as turmas do 5º ano da supracitada unidade de ensino tiveram orientações de prevenção e controle da dengue através vídeo debate, teatro de fantoches e da Gincana Contra a Dengue em Paquetá. 

Na segunda-feira, 01/12/2014 será realizado um reforço nas orientações para os alunos da unidade de ensino.

O ponto inicial de concentração da mobilização será a Praça Pedro Bruno onde serão montados estandes das instituições envolvidas e acontecerá a apresentação do teatro de fantoches contra a dengue.

A divulgação da mobilização será efetuada com carro de som fornecido pelo Corpo de Bombeiros Militar da ilha e a elaboração de faixas estará a cargo da XXI Região Administrativa – Paquetá.

TRABALHO EDUCATIVO NA PRAÇA DO JORNAL DO COMÉRCIO/VALONGO

Aconteceu no sábado, dia 08/11/2014 na Praça do Jornal do Comércio (Antigo Cais do Valongo) no bairro Saúde, o Valongo + Social II edição, evento para inclusão social que teve como objetivo promover a cidadania e a qualidade de vida dos moradores da Região Portuária.

Foram oferecidos serviços gratuitos para os moradores da Região, tais como: tirar documentos, emissão da primeira ou segunda via da Carteira de Trabalho, cadastrar-se em banco de vagas para emprego e fazer inscrição para cursos. Além de corte de cabelo, embelezamento das unhas, aferição da pressão arterial, glicose e vacinação, atividades de cidadania e vasta programação cultural e de entretenimento para os moradores do entorno.A Secretaria Municipal de Saúde foi convidada pela Concessionária Porto Novo e a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (CDURP) para participar do evento, a CAP 1.0 esteve presente com um estande educativo e informativo sobre prevenção e controle da dengue, saúde bucal, Prevenção das DST AIDS, e imunização.










quinta-feira, 6 de novembro de 2014

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA PESQUISA PCATOOL



A Secretaria Municipal de Saúde, convida para a apresentação PCATOOL Rio - 2014 dos resultados finais da Pesquisa de Avaliação, realizada pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
A cerimônia ocorrerá no dia 22 de novembro de 2014, às 16:30h, no Teatro Municipal Carlos Gomes, Rua Pedro I - 4A, Praça Tiradentes - Centro.